ComportaUtopia
"É nossa missão criar um ecossistema exemplar onde a economia e a ecologia se unem de forma a preservar o território e a população"
Comporta

Território

Comporta situa-se nos concelhos de Alcácer do Sal e de Grândola e caracteriza-se por uma linha de costa de 60 quilómetros, rodeada por dunas e pinhal e salpicada por arrozais, que no conjunto constituem um ecossistema singular pela sua biodiversidade e riqueza paisagística.

Na Comporta estão registados mais de 40 habitats naturais, com cerca de uma centena de espécies animais e cerca de duas dezenas de espécies de plantas protegidas pelas autoridades de conservação da natureza.

A Herdade da Comporta é uma propriedade da empresa Rioforte (do Herdade da Comporta_Territórioex-Grupo Espírito Santo) com cerca de 12 500 hectares de arrozais, vinhas, matas, pinhais e praias, com alguns terrenos incluídos na Rede Natura 2000, conjunto de áreas classificadas pela União Europeia para a conservação da biodiversidade.

O território da Comporta está integrado em três reservas naturais, classificadas e protegidas a nível nacional:

  • Reserva Natural do Estuário do Sado, local singular de nidificação e invernada para mais de 200 espécies de aves, igualmente importante para a desova, desenvolvimento e crescimento de vários peixes. Neste enquadramento do Estuário do Sado, a Comporta faz igualmente parte da Reserva Botânica das Dunas de Tróia, ecossistema dunar natural, onde existem espécies endémicas de caráter prioritário.
  • Reserva Ecológica Nacional (REN), estrutura biofísica que integra áreas com valor e sensibilidade ecológicos ou expostas e com suscetibilidade a riscos naturais. É uma restrição de utilidade pública que condiciona a ocupação, o uso e a transformação do solo a usos e ações compatíveis com os seus objetivos.
  • Reserva Agrícola Nacional (RAN), definida como conjunto de terras que, em virtude das suas caraterísticas em termos agroclimáticos, geomorfológicos e pedológicos, apresentam maior aptidão para a atividade agrícola. A RAN é um instrumento de gestão territorial, que estabelece condicionamentos à utilização não agrícola do solo, e que desempenha um papel fundamental na preservação do recurso solo e a sua afetação à agricultura.

Neste momento corre os seus termos um processo público de venda de dois terrenos da Herdade da Comporta, que legalmente são considerados Áreas de Desenvolvimento Turístico (ADT), com projetos e licenciamentos desenvolvidos pelo proprietário – o Grupo Espírito Santo.

A área total desta duas ADT ronda os 1000 hectares e o volume total de construção licenciada é de cerca de 650.000 metros quadrados.

Problemas

Como é do conhecimento público, uma parcela significativa do território da Comporta (em laranja no mapa) está a ser vendida, na sequência da falência do Grupo Espirito Santo e no quadro do processo de resolução financeira das empresas associadas.

São duas as parcelas em venda, com uma superfície total de quase 1400 hectares:

  • Dunes da Comporta: 1000 HA, ao sul da Praia do Pego
  • Links da Comporta: 365 HA, entre a Comporta Village e a Torre

O plano urbanístico autorizado pelos municípios de Grândola e Alcácer do Sal permite a construção de 650.000 m2 (350.000 m2 para as Dunes + 290.000 m2 para os Links).

Este plano urbanístico é o resultado de políticas antigas, baseadas em convicções erradas sobre o interesse público de longo prazo e foi concebido sem uma visão estratégica que defenda o bem-estar dos cidadãos e o equilíbrio do ecossistema da Comporta.

Está, portanto, autorizada a construção de numerosos edifícios com uma densidade muito elevada e impactos ecológicos brutais,  a que é preciso somar as consequências ambientais das infraestruturas, estradas e outras partes comuns.

No conjunto, estas edificações e manipulações do território constituem uma agressão profunda ao ecossistema, afetarão irremediavelmente a paisagem, as dunas, as árvores, os arbustos e toda a fauna e flora deste lugar excecional.

O território da Comporta situa-se frente ao oceano e adjacente a 3 reservas naturais de grande valor e prioridade ecológica. É um território único e deve ser preservado! Não fazermos nada para impedir a catástrofe seria um erro fatal e motivo de arrependimento futuro.

Vamos unir esforços e refletir em conjunto, para melhor entendermos o problema e as alternativas disponíveis.

Soluções

O projeto designado Comporta Utopia, que tem vindo a ser desenvolvido desde Setembro de 2016, tem hoje a consistência técnica e a seriedade económica necessárias para servir de base a uma reflexão estratégica inteligente sobre o futuro da Comporta.

O princípio fundamental deste projeto Comporta Utopia é permitir a criação de uma economia autónoma e resiliente neste território, ancorada numa abordagem ecológica e social que responda às questões críticas do presente e do futuro.

Em todo este processo da Comporta o tempo joga um papel fundamental e infelizmente é escasso e está correndo: as novas propostas de aquisição da Comporta serão apresentadas em 20 de setembro e a decisão final será tomada em 27 de setembro de 2018.

A nossa oferta Comporta Utopia, liderada pela empresa Victor Broglie, em consórcio com o GAC e o BCC Group, visa a federação de competências multidimensionais para um projeto de desenvolvimento turístico que aposta tudo na harmonia com as exigências ambientais e sociais e no combate à sobre construção especulativa.